11 de junho de 2012

Carta das Mulheres do Semiárido


Marcha Mundial das mulheres                                              Mossoró, 31 de Maio de 2012.
Entidades da ASA- Potiguar



À Presidenta Dilma Roussef
À Governadora Rosalba Ciarlini
Aos Prefeitos e Prefeitas Municipais
À População Nordestina

Com a seca não tem colheita nem na terra nem no mar.
 A folha que eu trouxe representa a seca do mar.
(Tatiane –Tibau/RN)

Nós, as mulheres, há muito tempo marchamos para denunciar e exigir políticas de convivência com o semiárido e que ponha o fim da opressão que vivemos por sermos mulheres.
Das nossas lutas feministas e das lutas dos demais movimentos sociais nasceram experiências inovadoras de espaços de liberdade para nós mulheres, para nossas filhas e filhos, para todas as pessoas que depois de nós caminharão sobre a terra semiárida.
Estamos construindo um Nordeste no qual a diversidade é uma virtude; tanto a individualidade como a coletividade são fontes de crescimento; onde as relações fluem sem barreiras; onde a palavra, o canto, os sonhos e a caatinga florescem. Esse Nordeste considera a pessoa humana e os bens naturais como uma das riquezas mais preciosas. Um Nordeste no qual reinam a igualdade entre mulheres e homens, convivência com nossas condições climáticas, o respeito e fortalecimento de nossa cultura e a socialização do trabalho doméstico e do cuidado. Este Nordeste, nós somos capazes de construir, nós estamos construindo.
Somos mais da metade da humanidade. Damos a vida, trabalhamos, amamos, criamos, militamos, nos divertimos. Garantimos atualmente a maior parte das tarefas essenciais para a vida e a continuidade da humanidade. No entanto, em momentos críticos como esse período de estiagem continuamos sendo as mais atingidas, por sermos responsáveis por grande parte da produção mercantil e pela produção do viver.
Diante de todos os argumentos já apresentados na carta da ASA/Brasil, na carta do Campo Potiguar e pela nossa experiência como militantes, lutamos por um novo modelo de construção de políticas para o semiárido, tendo como referência a convivência com a situação climática.

Nós da Marcha Mundial das Mulheres reafirmamos que queremos construir um Nordeste onde a exploração, a opressão, a intolerância e as exclusões não existam mais; onde a integridade, a diversidade, os direitos e liberdades de todas e todos sejam respeitados; onde a condição climática não seja mais um meio para ampliar a exploração de homens e mulheres nordestinas. Para isso propomos:

  1. Fortalecer as experiências de convivência com o semiárido protagonizadas pelas mulheres, como forma de se contrapor ao modelo de desenvolvimento disseminado pela economia verde;

  1.  Ampliação e desburocratização dos créditos com abate e reavaliação do saldo devedor; em especial o PRONAF Mulher, bem como liberação imediata do Apoio Mulher;

  1. Políticas públicas estruturantes que garantam o acesso à água, como a cisterna de placas, poços artesanais próximos aos quintais, entre outros;
  2. Resgatar o aprendizado das trabalhadoras e trabalhadores com a energia eólica adaptada, especificamente os cata-ventos, fundamentais para a produção dos quintais;
  3. Ampliação dos quintais produtivos que no momento de estiagem é a principal fonte de alimento familiar, bem como o programa PAIS para as diversas comunidades;
  4. Dentro do programa de construção de creches do governo federal, priorizar a construção de creches para o meio rural, como forma de socializar a tarefa do cuidado e garantir a alimentação das crianças no meio rural;
  5. Incluir como parte das necessidades imediatas da produção do viver, a limpeza da casa, banho das pessoas e lavagem de roupa. Neste sentido, o programa 1 Terra  2 Águas deve considerar a produção e as tarefas do bem viver (cuidado com as pessoas);
  6. Ampliação do valor do Bolsa Família por tempo indeterminado até que cesse a estiagem;
  7. Fortalecer a autodeterminação econômica das mulheres com ampliação do acesso aos programas como POPMR, ATER Mulheres, PNDTR, PAA/Compra Direta;
  8. Readequar imediatamente a legislação para que as mulheres possam voltar a comercializar as polpas de frutas através do PAA e PNAE.

Marcha Mundial das Mulheres

Subscreve essa carta:
Entidades que compõe a ASA- Potiguar:
Terra Viva,
Atos,
Sertão Verde,
Coopervida,
           Pedra de Abelha,
Centro Feminista 8 de Março,
Comissão Pastoral da Terra
CEACRU
Comissões de Mulheres dos STTR
Comissão das mulheres do STTR Apodi; Comissão das mulheres do STTR Caraúbas; Comissão das mulheres do STTR Governador Dix-Sept Rosado; Comissão das mulheres do STTR Barauna; Comissão das mulheres do STTR Filipe Guerra; Comissão das mulheres do STTR Upanema;

Demais Entidades e articulações: Rede Xique-Xique; Coordenação Oeste  de Mulheres Trabalhadoras Rurais; COOTIPESCA; Grupo Mulheres em Ação; PDA Margarida Alves; PDA Jucurí.

Nenhum comentário:

Postar um comentário