15 de outubro de 2019

Dia Mundial da Alimentação em Campina Grande terá Feira de Produtos Agroecológicos


No próximo dia 16 de outubro, quarta-feira, quando se comemora o Dia Mundial da Alimentação, o Grupo de Trabalho (GT) de Comercialização da Articulação do Semiárido Paraibano – ASA Paraíba, o Conselho de Segurança Alimentar e Nutricional – Consea da Paraíba e o Fórum Paraibano de Segurança e Soberania Alimentar e Nutricional realizarão uma nova edição da Feira Regional de Produtos Agroecológicos, das 7h às 12h, na Praça da Bandeira, Centro de Campina Grande-PB.

Estarão no local comercializando seus produtos cerca de 80 feirantes nas 30 barracas montadas. Será oferecida uma variedade de hortaliças, grãos, sementes, frutas, tubérculos, ovos, goma, farinha, mel, fubá, alimentos beneficiados como bolos, tapiocas, beijus, polpas de frutas, doces, queijo e manteiga, além de artesanato. Paralelamente à venda nas barracas, haverá uma programação cultural com as apresentações do grupo de música e dança Samba Tap, do trio de forró Acauã da Serra e de um teatro de bonecos sobre a temática da alimentação saudável.

Tenda pedagógica

Está previsto ainda para o local, a montagem de uma tenda pedagógica, onde os visitantes e consumidores poderão receber materiais educativos e receitas de alimentos vendidos na feira e ainda conhecer como são feitos as caldas naturais e biofertilizantes usados para o controle de pragas e doenças nas lavouras agroecológicas, livres de transgênicos e agrotóxicos. Haverá a exposição de trabalhos feitos por alunos de escolas públicas e particulares de Campina Grande que trabalharam o tema da alimentação previamente, como desenhos e mandalas com sementes e folhas.

As feiras regionais vêm acontecendo desde 2018, pelo menos três vezes ao ano, em datas importantes como a Semana Nacional dos Orgânicos (26 de maio a 1 de junho); o Dia Mundial da Alimentação e o Natal Sem Veneno, próximo às festas de fim de ano. Elas têm se constituído em um importante espaço de visibilidade para os produtos agroecológicos de famílias agricultoras de pelo menos cinco microrregiões do estado (Agreste, Borborema, Seridó, Curimataú, Médio Sertão, Cariri Ocidental e Oriental). Uma média de 100 feirantes tem participado de cada edição da feira, todos já comercializam sua produção em feiras agroecológicas semanais acompanhadas pelas entidades da ASA Paraíba.

São parceiros da realização das feiras regionais a Universidade Estadual da Paraíba por meio da Pró-reitoria de Cultura e do Núcleo de Extensão Rural em Agroecologia – NERA-UEPB e a Campanha Permanente Contra os Agrotóxicos e pela Vida. A Feira conta ainda com os apoios financeiros das agências de cooperação internacional Misereor e CCFD Terra Solidária e da Plataforma Mercosul Social e Solidário – PMSS.

Como surgiu a data

O Dia Mundial da Alimentação é comemorado em 16 de outubro por ser a data de fundação da FAO (Food and Agriculture Organization), órgão das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura. A comemoração teve início há 38 anos e é celebrada em mais de 150 países como uma data para consciencializar a opinião pública sobre questões relativas à nutrição e à alimentação.

LISTA DE FEIRAS AGROECOLÓGICAS – CAMPINA GRANDE E REGIÃO

ALAGOA NOVA

SÁBADO | 6h

Rua ao lado da Câmara de Vereadores | Centro

ARARA

SEXTA | 6h

Ao lado da Igreja Matriz

AREIAL

SEXTA-FEIRA | 6h

Praça Central

AROEIRAS

SÁBADO | 6h às 11h

Galpão da Rodoviária | Centro

BOQUEIRÃO

SEGUNDA A SÁBADO | 8h às 12H e 14H às 17H

Centro | Em frente a antiga Hitz

CAMPINA GRANDE

QUARTA | 4h

Museu do Algodão | Estação Velha

QUINTA | 7h

Central de Aulas | UEPB

SEXTA | 6h

Du Bu VI | Catolé

CACIMBAS

DOMINGO | 5h às 9h

Comunidade Monteiro

CASSERENGUE

QUINTA | 6h

Praça 29 de abril | Centro

CATINGUEIRA

SÁBADO | 5h às 9h

Em frente a Emater

CONDADO

QUINTA | 5h às 9h

Praça José de Sá Leite

CUBATI

ÚLTIMO SÁBADO DE CADA MÊS | 6h

Ao lado do Colégio Estadual | Centro

INGÁ

QUARTA-FEIRA | 5h

Ao lado do Colégio Estadual | Centro

ESPERANÇA

SEXTA | 6h

Ao lado da Prefeitura| Centro

GURINHÉM

SEXTA | 6h às 11h

Praça Central Elias Gomes

JUAZEIRINHO

SÁBADO |6h

Ao lado da Casa Paroquial

LAGOA SECA

SÁBADO | 6h

Ao lado do Mercado Público | Centro

MASSARANDUBA

SEXTA | 6h

Em frente ao Sindicato Rural | Centro

MOGEIRO

SÁBADO | 5h

Ao lado da feira de frutas | Centro

PATOS

QUINTA | 5h às 9h

Praça Padre Assis

SÁBADO | 5h às 9h

Praça N. S. Fátima e STA. Gertrudes

PICUÍ

SEXTA | 6h

Calçadão da Praça João Pessoa | Centro

POCINHOS

QUARTA | 7h | Praça Central

PUXINANÃ

SEGUNDA | 5h30

Em frente a prefeitura | Centro

QUEIMADAS

SEXTA | 6h

Em frente ao Sindicato Rural

REMÍGIO

SEXTA | 6h

Rua da Prefeitura | Centro

SANTANA DOS GARROTES

SÁBADO | 5h às 9h

Centro | Por trás da Igreja Matriz

SANTA TERESINHA

SÁBADO | 5h às 9h

Praça Frei Damião

SÃO JOÃO DO CARIRI

SEGUNDA | 7h | Centro

SOLÂNEA

SEXTA | 6h

Em frente ao sindicato Rural | Centro

SOLEDADE

SEGUNDA |6h | Praça

Em frete a Casa de Economia Solidária

SEXTA | 6h

Praça Central, ao lado da Rodoviária

DOMINGO | 6h

Comunidade Santa Luzia

TAPEROÁ

SEXTA | 5h às 9h | Centro

Ao lado do Banco do Brasil

TENÓRIO

2ª E 4ª QUINTA DE CADA MÊS | 7h

Ao lado do Mercado Público | Centro

Fonte: GT de Comunicação ASA Paraíba

13 de setembro de 2019

Famílias Agricultoras participam de oficina sobre: ‘Produção e Coleta de Sementes Florestais e Produção de Mudas’


Na manhã da última quinta-feira (12), a comunidade Canoa de Dentro, município de Pedra Lavrada-PB acolheu cerca de 30 agricultores e agricultoras para a realização de uma oficina sobre:  ‘Produção e Coleta de Sementes Florestais e Produção de Mudas’. A atividade teve como facilitadora a professora, Carminha Learth, da Universidade Federal de Campina Grande (UFCG), campus Patos.

            Os principais objetivos foram possibilitar as trocas e fortalecimento de conhecimentos sobre as sementes florestais da Caatinga e as melhores formas de coleta dessas sementes, bem como, discutir sobre as práticas e a importância da produção de mudas das espécies florestais para o reflorestamento da Caatinga e recuperação dos solos no Semiárido. 

            Segundo Alex Barbosa, liderança agricultora do Coletivo Regional das Organizações da Agricultura Familiar, a oficina foi um momento de grande aprendizado entre os saberes acadêmicos e populares em relação ao reflorestamento a partir das mudas nativas, bem como, no tocante a recuperação do solo.  “Avalio como um momento de construção de conhecimentos e boas orientações sobre a produção de mudas nativas do Semiárido, para a recuperação de áreas degradadas, sabíamos que estávamos produzindo mudas, mas precisamos avançar em várias questões, com certeza nosso olhar para a produção de mudas e recuperação de solos do Semiárido começa a se ampliar”, disse ele. 

            Os principais pontos encaminhados pelos participantes da oficina foram: Ampliar a coleta e armazenamento das sementes florestais; fortalecer a produção de mudas das espécies florestais com o objetivo de reflorestar a Caatinga e recuperar as áreas degradadas nas comunidades dando continuidade ao processo de formação junto as famílias agricultoras, técnicos e técnicas para refletir sobre essa temática.   
                   

            O evento foi realizado pelo Coletivo Regional das Organizações da Agricultura Familiar e pela a entidade de assessoria -  Patac, em parceria com a UFCG (Campus Patos). A atividade faz parte do projeto apoiado pela Fundação Alemã Misereor.

Texto: Raquel Nunes
Edição: Simone Benevides
Fotos: Alex Barbosa


15 de agosto de 2019

Representantes do Terreiro Ylé Axé de Oxalá de Boa Vista participarão do 15º Encontro de Religiões de Orixás (ERO 2019)



Nesta sexta-feira, dia 16, um representante da Coordenação do Coletivo Regional das Organizações da Agricultura Familiar, e famílias agricultoras representantes de uma comunidade tradicional de terreiro, que também faz parte do Coletivo e da área de atuação do Patac, mais precisamente do terreiro Ylé Axé de Oxalá que fica localizando na comunidade Malhadinha em Boa Vista - PB, participarão do 15º Encontro das Religiões de Orixás (ERO), que acontecerá em João Pessoa.

Neste ano, o ERO 2019 traz como proposta discutir dois eixos centrais: Segurança Alimentar e Nutricional (SAN) e Segurança Pública. O ERO é um evento construindo coletivamente e em cada uma de suas edições pautou e ajudou a levantar diversas políticas públicas que transformaram a imagem das religiões de Orixás perante a sociedade e perante o poder público, trazendo mudanças significativas nos campos da liberdade religiosa e de culto, das políticas de combate à fome e erradicação da pobreza de comunidades tradicionais de terreiro.

Desde sua criação várias mudanças aconteceram no cenário municipal, estadual e nacional, proporcionando melhorias significativas na qualidade de vida daqueles e daquelas que professam a religião dos Orixás. Porém, outras mudanças nos assolam, seja pelo fim de políticas públicas direcionadas a esses povos, seja pela disseminação de ideologias odiosas que permitem que pessoas intolerantes e desrespeitosas invadam nossos espaços, quebrem nossos signos e retirem nossa autonomia.

O terreiro Ylé Axé de Oxalá será representado pelos integrantes, Eliã Raquel da Fonseca (Mãe Raquel), Joeliton Elias da Silva (Pai Leca) e Maria Gabriela Elias da Silva.  Já pela coordenação do Coletivo o evento contará com a presença de Alex Barbosa dos Santos, que também é do Conselho Estadual de Segurança Alimentar e Nutricional da Paraíba (Consea-PB) e integrante do Terreiro Ylé Axé de Oxalá. Pela a entidade de Assessoria à Agricultura Familiar (Patac) irá o coordenador institucional, José Waldir de Sousa Costa que também é Vice-Presidente do Consea-PB.

Para a Coordenação do Coletivo, na pessoa de Alex Barbosa, a importância ter representação do território neste espaço, garante que se está tendo um grande crescimento no reconhecimento da identidade das pessoas  “Para o Coletivo, está nesse momento,  e ter hoje, uma comunidade que se reconhece como de matriz africana em sua constituição, é algo que representa nosso crescimento enquanto território, é considerar os vários povos que constroem o Semiárido, que constroem a Convivência e que constroem a Agroecologia.  E nós, enquanto organização, construímos um processo democrático de defesa da segurança e soberania alimentar, de Convivência e de Agroecologia considerando os símbolos materiais e espirituais. Está nesse momento, podendo contribuir com a nossa experiência de organização de agricultores e agricultoras é algo que nos faz crescer considerando às diversas expressões religiosas e de espiritualidade do Semiárido brasileiro”, declarou Alex.
 
A atividade acontecerá no Colégio Argentina, das 8h às 16h em João Pessoa – PB e conta com a presença de todos que professam a religião dos Orixás. Ela faz parte das Conferencias Regionais Preparatórias para a Conferencia Nacional Popular e Autônoma por Direitos, Democracia e Segurança Alimentar e Nutricional. O evento está sendo organizado pela Federação Independente dos Cultos Afro-brasileiros do Estado da Paraíba, e tem como parceiros o Governo do Estado da Paraíba, a Secretária da Mulher e da Diversidade Humana, o Consea – PB, os Terreiros de Mãe Josi e de Mãe Maria das Graças e a Rede Mulheres de Terreiros.





14 de agosto de 2019

Comunidade Santa Rosa celebra “Agosto Para a Igualdade Racial” neste sábado em Boa Vista


A Comunidade remanescente de quilombo, Santa Rosa, de Boa Vista-PB, região do Coletivo e de atuação do Patac, estará participando do 8º Seminário “Agosto Para a Igualdade Racial” uma iniciativa do Movimento Negro de Campina Grande.

A programação destinada para este sábado dia (17) contará com o lançamento do Cordel "Vidas Negras importam ou não?" do poeta cordelista, J. Lima, da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB), a partir das 14h.

Seguindo a programação acontecerá a palestra: "Vidas Negras Importam" este momento será conduzido pelo professor e mestre em Filosofia, Nazito Pereira, da Rede Estadual de Ensino da Paraíba.

Por volta das 17h, saudando o Pôr do Sol acontecerá uma Cantoria com os artistas Evaldo Severino, Evaldo filho e o poeta Josemir.  Às 18h terá um ato solene com as falas das autoridades e lideranças locais, em seguida haverá um grande arrasta pé encerrando a programação.

Sobre o evento: O “Agosto Para a Igualdade Racial” teve início no ano de 2012 para combater o genocídio da juventude negra e, ao mesmo tempo, lutar pela efetivação das leis 10.639\03 e 11.645\08 no currículo das escolas públicas de Campina Grande. Além desse aspecto relevante, pode-se afirmar que no seu histórico de luta pela valorização do patrimônio afrobrasileiro e direito à vida dos jovens negros, o seminário surgiu também da necessidade de reunir em um só espaço de debate os estudiosos do mundo acadêmico e intelectuais do movimento negro que se dedicam ao estudo da história da África, cultura afrobrasileira e combate ao racismo no campo da educação.


Mulheres do Coletivo participam da Marcha das Margaridas em Brasília



As mulheres do território do Coletivo Regional das Organizações da Agricultura Familiar participaram da Marcha das Margaridas, na manhã desta quarta-feira (14), em Brasília. Sete mulheres dos municípios de Olivedos, Soledade, Juazeirinho e Cubatí viajaram na Caravana da Articulação do Semiárido Paraibano (ASA Paraíba) para junto a outras mulheres, dizerem não ao fim da violência contra às mulheres e as desigualdades de gênero.

A Marcha das Margaridas é considerado o maior evento político de mulheres do campo, da floresta e das águas da América Latina, e tem como força inspiradora a luta de Margarida Maria Alves, uma mulher trabalhadora rural nordestina que, rompendo com padrões tradicionais de gênero ocupou, por 12 anos, a presidência do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Alagoa Grande, na Paraíba.
Líder sindical bastante influente, construiu uma trajetória sindical de luta pelo direito à terra, pela reforma agrária, por melhores condições de trabalho e contra as injustiças sociais e o analfabetismo.

No dia 12 de agosto de 1983, esta grande lutadora do povo foi brutalmente assassinada, na porta de sua casa. Seu nome se tornou um símbolo nacional de força e coragem cultivado pelas mulheres e homens do campo, da floresta e das águas. É em nome dessa luta que a cada quatro anos, no mês de agosto, milhares de Margaridas de todos os cantos do País marcham em Brasília, num clamor por justiça, igualdade e paz no campo e na cidade.

É coordenada pela Confederação Nacional dos Trabalhadores Rurais Agricultores e Agricultoras Familiares (Contag), suas 27 Federações e mais de 4 mil Sindicatos de Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais filiados. A Marcha das Margaridas se constrói em parceria com 16 movimentos feministas e de mulheres trabalhadoras, centrais sindicais e organizações internacionais.


Além das pautas das mulheres, o evento também traz reivindicações do público LGBT relacionadas a equidade de direitos, as lutas das comunidades e povos tradicionais, além da pauta contra o racismo, machismo e sexismo.


9 de agosto de 2019

Cooperar visita território da Coletivo/Patac para conhecer tecnologias sociais e auto-organização implementadas pelas famílias agricultoras em parceria com a ASA Paraíba

Agricultora Quitéria apresentando sua produção agroecológica 
Jovem agricultora (filho de Quitéria) fala da sua experiência

Na última sexta-feira, dia (09) a Articulação do Semiárido Paraibano recebeu em um dos seus territórios a visita dos gestores estaduais do Paraíba Rural Sustentável (Cooperar). Além desses, assessorias técnicas de várias organizações da ASA Paraíba, lideranças agricultoras e representantes de outros territórios do Semiárido.

A visita aconteceu no município de Cubatí-PB, região de atuação do Coletivo e do Patac, contemplando assim, uma experiência familiar, na propriedade da família agricultora de Quitéria e Antônio no Assentamento São Domingos e uma experiência comunitária em Capoeiras e Coalhada.

As mais de 20 pessoas presentes puderam visualizar a produção dos alimentos saudáveis no arredor de casa de Quitéria, a partir da tecnologia da segunda água (cisterna do P+2) e do sistema de água servida.

Na experiência comunitária observaram o beneficiamento de alimentos, com degustação dos mesmos, compreenderam a auto-organização comunitária a partir do Fundo Rotativo Solidário, a fabricação das telas para produção de alimentos e conheceram a gestão do Banco de Sementes Comunitário.

Feira Agroecológica – Os visitantes, antes de se dirigirem as experiências tomaram café na Feira Agroecológica de Soledade e conheceram o funcionamento de uma das sete feiras do território do Coletivo. A feira acontece na praça José de Melo, no centro, todas as sextas-feiras, das 6h30 às 10h.

Liderança agricultora Solange apresenta a gestão do Banco de Sementes
Na parte da tarde, na sala de reuniões da Casa de Economia Solidária, aconteceu uma reunião entre os representantes da Rede Água da ASA Paraíba, Antônio Melo e José Camelo da Rocha, entre outros integrantes da Coordenação do Coletivo. Falaram do trabalho que executam nas comunidades rurais espalhadas pelo Estado da Paraíba, e esboçaram o desejo de participar do Projeto Paraíba Rural Sustentável como parceiro das ações que serão implementadas pelo Cooperar nessa nova gestão.

Agricultora Vitória apresenta a maquinas de tela (tecnologia social)
Na ocasião, os técnicos do Cooperar – Elisane Abrantes (gerente de Operações), Flávio Luna (gerente de Planejamento, Monitoramento e Avaliação) e Marcos Feitosa (responsável pelo Subcomponente 2b – tecnologias) disseram que toda parceria é bem vida, e que o carro chefe dessa nova linha de atuação do PB Paraíba Rural Sustentável executado pelo Projeto Cooperar, que é vinculado à Secretaria de Estado da Agricultura Familiar e do Desenvolvimento do Semiárido (Seafds) será o acesso a água, reduzir a vulnerabilidade agroclimática e aumentar o acesso a mercados para a população rural da região.

Eles enfatizaram, ainda, que o PB Rural irá beneficiar em quatro anos e meio (2019 a 2023), mais de 44 mil famílias de agricultores da zona rural do Estado, o que corresponde a 165 mil pessoas assistidas.

Por fim, as organizações e os representantes do governo estabeleceram diálogo em torno da comercialização dos alimentos agroecológicos da Bodega e da importância desse espaço para as famílias agricultoras de várias regiões do estado da Paraíba, territórios de atuação da ASA PB, que fornecem alimento para esse espaço em Soledade.  

26 de julho de 2019

Jovem agricultor de Juazeirinho – PB apresenta experiência aos participantes do Intercâmbio Saberes nos Semiáridos da América Latina


Na manhã da última quinta-feira, dia (25), o  jovem agricultor Salvador Barbosa Sobrinho de 18 anos, que reside na comunidade Ipueiras, zona rural do município de Juazeirinho (PB), região de atuação do Coletivo Regional das Organizações da Agricultura Familiar, território assessorado pelo Patac, recebeu em sua experiência familiar jovens, mulheres, agricultores/as e técnicos/as todos participantes do Intercâmbio de Saberes nos Semiáridos da América Latina.

Salvador que é filho de Pedrina e de João,  faz parte da 5ª geração de guardiões de Sementes Crioulas da Paixão de sua família, e desde muito cedo aprendeu a cuidar da terra e dos animais.


Os participantes foram acolhidos com uma mística. Sementes crioulas de jerimum foram utilizadas para conduzir um momento simbólico de resgate da nossa ancestralidade onde foram trazidas memórias das pessoas mais velhas. As sementes da paixão de Salvador e seus pais foram plantadas no coração de cada um e cada uma que se faziam presente.



Salvador cria em sua propriedade de 6 hectares de terra galinhas, ovelhas e um bezerro. Ele junto com seus pais produzem: algodão, hortelã miúda, hortelã gorda, capim santo, alface, espinafre, manjericão, coentro, mastruz, berinjela, cibalena, gliricídia, caju, jerimum, acerola, melancia, mamão, cebolinha, quiabo, tomate cerejeira, couve, pimenta de cheiro, pimentão, palma, macaxeira, feijão, milho e batata doce.



A família de Salvador tem também na propriedade as tecnologia de captação de água da chuva como a Cisterna de Placa de 16 mil litros que serve para o consumo e o Barreiro Trincheira de 500 mil litros para produção. Com o intuito de ampliar o estoque de água da família, João, pai de Salvador, construiu quatro tanques de pedra com tamanhos e capacidade de armazenamento diferentes.



O trabalho de Salvador é na perspectiva da Agroecologia cultivando alimentos sem o uso de agrotóxicos e livres de transgenia. Ele participa do Fundo Rotativo Solidário (FRS) de animais da comunidade e faz parte da Comissão de Juventude do território do Coletivo, ocupando espaços políticos importantes para a prática agroecológica.

Texto: GT de Comunicação do  Intercambio Saberes nos Semiáridos da América Latina

Edição de texto: Simone Benevides

Fotos: Simone Benevides



22 de julho de 2019

Intercambio entre juventudes camponesa de vários lugares da América Latina reúne diversidade de saberes


Começou nesta manhã de segunda-feira (22) o Intercâmbio de Saberes nos Semiáridos da América Latina, com o tema Juventudes e Agroecologia. O encontro reúne cerca de 100 pessoas, entre jovens e técnicos, do Semiárido brasileiro e latino-americano.

A manhã do primeiro dia começou com a acolhida e apresentação dos participantes e dos símbolos trazidos de suas regiões, estados e países. Em seguida, foi dado início do primeiro de três painéis que acontecerão durante toda a semana, para falar de Juventudes e Agroecologia: desafios para o bem viver nos Semiáridos. Participaram do painel o GT de Juventudes da Articulação Nacional de Agroecologia (ANA), a Comissão de Jovens Multiplicadores da Agroecologia, a Pastoral da Juventude Rural e representantes do Povo Xukuru e do Chaco Tradicional.

Além de fortalecer e aproximar as juventudes dos Semiáridos latino-americanos, a caravana possibilitará, a partir de visitas a experiências em Pernambuco e na Paraíba, a troca de saberes entre as juventudes.


Na noite desta terça-feira (23) a comitiva deverá chegar a Campina Grande onde ficarão hospedados no Day Camp Hotel Fazenda e serão recepcionados por uma mística preparada pelo GT de Juventude da Articulação do Semiárido Paraibano (ASA Paraíba).

Durante todo o dia da quarta-feira (24) a programação será de formação e socialização das experiências das juventudes de quatro territórios da Paraíba distribuídos assim pelas regiões da Borborema, Cariri, Seridó e Agreste.

Já quinta-feira dia (25) os participantes deverão se deslocar até as propriedades para conhecerem as experiências da juventude de convivência com o Semiárido em seus lugares. Farão um passeio pelas experiências das dinâmicas da ASA Paraíba nos territórios do Folia (Agreste), Polo (Borborema), Casaco (Cariri Oriental) e Coletivo (Seridó).

O Intercâmbio é uma realização do FIDA, Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura (IICA), Programa Semear Internacional, Plataforma Semiáridos da América Latina, Centro de Desenvolvimento Agroecológico Sabiá, Centro de Estudos do Trabalho e de Assessoria ao Trabalhador (Cetra), Entidade de assessoria a Agricultura Familiar (PATAC) e Agricultura Familiar e Agroecologia (ASPTA), em parceria com a FUNDAPAZ, International Land Coalition, Terre des Hommes e Serviço Mundial de Igrejas (CWS).


Texto: Miguel Cela
Edição de texto: Simone Benevides
 Fotos: Ronald Santos

11 de junho de 2019

Ato público, diversidade cultural e Carta Política caracterizaram o encerramento da 8ª Festa Estadual das Sementes da Paixão



De forma festiva e através de diversas expressões populares (Ato Público, apresentações culturais e reflexões políticas) a 8ª Festa Estadual das Sementes da Paixão foi encerrada na tarde da sexta-feira (07), no município de Soledade-PB, Cariri Paraibano com a presença de mais 1.200 pessoas. Com o tema “Comunidades Guardiãs: Protegendo a Biodiversidade e Garantindo Alimentação Saudável” o evento foi realizado na região do Coletivo Regional das Organizações da Agricultura Familiar, território de atuação da entidade de assessoria à Agricultura Familiar de base agroecológica - Patac.  As duas organizações integram a Articulação do Semiárido Paraibano (ASA Paraíba).

A atividade começou na quarta-feira, dia 05 e se estendeu até a sexta, 07, reunindo centenas de agricultoras e agricultores familiares em mesas de diálogo, oficinas temáticas, feira de sabores e saberes e atividades culturais.

O marco final e culminância do evento se deu  na sexta - feira (07), quando um grande ato público foi realizado nas ruas de Soledade, onde os participantes do evento, puderam caminhar e dialogar com o público urbano sobre as lutas enfrentadas em relação as Sementes  da Paixão e  a contaminação por transgênicos nos territórios e também sobre as questões da atual conjuntura política, as perdas de direitos através da reforma previdência, os cortes na educação e as questões de gênero.


Um toré puxado pelos representantes dos povos indígenas das tribos paraibanas Potiguara e Tabajara, representados pelos caciques Jessé Potiguara e Paulo Tabajara, trouxe a luta e a resistência dos diversos povos do Semiárido como algo sagrado, o toré foi dançado pelos participantes do ato. Em seguida, o GT de Juventude da ASA Paraíba realizou uma intervenção, uma grande faixa foi estendida no meio do povo, onde estavam o mapa da Paraíba e a frase “Paraíba livre de transgênicos e Agrotóxicos”, a frase foi puxada como grito de ordem até o encerramento do ato no Clube recreativo, local da festa.

No retorno à plenária final, foi realizado o lançamento estadual da Campanha “Não Planto Transgênicos para Não Apagar a Minha História”. Criada pelo Polo da Borborema, uma das dinâmicas microrregionais que integram a ASA na Paraíba, a Campanha entra em uma nova fase em âmbito estadual e pretende esclarecer as famílias agricultoras sobre como evitar a contaminação de suas sementes, principalmente as de milho, que devido a polinização aberta, é de fácil contaminação, bem como divulgar os riscos que os transgênicos trazem não só para a saúde humana, mas também para a erosão genética da biodiversidade. Após o ato de lançamento, foi oferecida a degustação de uma variedade de alimentos produzidos com milho NÃO transgênico, como broas, bolos e biscoitos, que já pode ser encontrado nas feiras agroecológicas na forma de farelo, cuscuz, mungunzá e xerém.

Na plenária final, como encaminhamento político foi lida a Carta Política do evento diante de uma mesa de representantes do Governo do Estado, da Secretaria Estadual de Agricultura Familiar e Desenvolvimento do Semiárido, da Secretaria Estadual Executiva de Segurança Alimentar e Economia Solidária, da Frente Parlamentar da Água e da Agricultura Familiar da Assembleia Legislativa, de representantes da Articulação do Semiárido Brasileiro – ASA Brasil,  do Conselho Estadual de Segurança Alimentar e Nutricional (Consea) - PB, e na presença dos representantes dos povos tradicionais,  o documento afirma que: “Comunidades guardiãs são as verdadeiras trincheiras de luta e de afirmação do papel histórico exercido por agricultoras a agricultores na defesa e proteção dos recursos da biodiversidade, da água e da terra”. O documento continua: “Afirmamos que esses recursos são bens comuns que, manejados e conservados pelas mãos das comunidades, se convertem na produção de alimentos fartos, seguros, diversificados e saudáveis”.


Naidson Quintela, da Coordenação Nacional da ASA Brasil, em sua fala, lembrou os 15 anos de trajetória das Festas das Sementes da Paixão na Paraíba e falou sobre a conjuntura política atual: “A última eleição na Paraíba foi de resistência, vocês escolheram aqui os representantes que vão garantir a vida e não a morte”, disse se referindo ao Governo Federal atual que liberou em seis meses quase 200 novos agrotóxicos no país e continuou: “O recado que a ASA Brasil tem para dar aqui hoje é, não abram mão, continuem brigando, celebrando, festejando e guardando sementes. O governo estadual que vocês elegeram tem a obrigação de dar suporte a esse trabalho, assim como o governo da Bahia que instituiu uma política estadual de agroecologia”.

Durante a Festa, foram realizados gratuitamente testes de transgênia adquiridos pela organização do evento. Os testes funcionam de forma semelhante a um teste de gravidez, com tiras sensíveis à sete tipos de proteínas transgênicas. Para aqueles que tinham seus testes com resultado negativo para a contaminação, era entregue um certificado de Livre de Transgênicos. Maria das Dores Medeiros, do Sítio Capoeiras, em Cubati-PB, conta do alívio que sentiu ao descobrir que havia conseguido recuperar suas sementes: “Fizemos o teste aqui e deu negativo, essa era uma semente que já havia dado contaminada, mas através do banco de sementes, a gente conseguiu recuperar e manter livre da contaminação, então eu fiquei muito feliz e aliviada de ter de volta meu milho da paixão”.

A Rede de Sementes da ASA Paraíba promove há 15 anos as festas, com um intervalo de dois anos entre uma edição e outra. As festas cumprem o duplo papel de celebrar o trabalho das centenas de guardiãs e guardiões das sementes e de denunciar as ameaças à preservação deste patrimônio genético e cultural da humanidade.


27 de maio de 2019

Município de Soledade-PB sediará 8ª Festa Estadual das Sementes da Paixão



Com o tema “Comunidades guardiãs: protegendo a biodiversidade e garantindo alimentação saudável”, acontecerá no município de Soledade, no Cariri Paraibano, de 5 a 7 de junho, a oitava edição da “Festa Estadual das Sementes da Paixão”. A Festa, que acontece a cada dois anos, é uma iniciativa da Articulação do Semiárido Paraibano – ASA Paraíba, uma rede de organizações não governamentais, sindicatos e associações de promoção da agricultura familiar agroecológica. A ASA Paraíba integra a Articulação do Semiárido Brasileiro – ASA Brasil que está organizada também nos outros nove estados do Semiárido: Maranhão, Piauí, Ceará, Rio Grande do Norte, Pernambuco, Alagoas, Sergipe, Bahia e Minas Gerais.


O local do evento será o Clube Recreativo de Soledade, localizado à Rua Prefeito Inácio Claudino, nº 180, Centro. A programação terá uma feira de produtos agroecológicos e sementes aberta ao público nos três dias de evento. No primeiro e segundo dias, haverá uma formação voltadas para 200 agricultores vindos das sete microrregiões onde a ASA Paraíba atua (Cariri Oriental e Ocidental, Seridó, Agreste, Curimataú, Média Sertão, Alto Sertão e Borborema).



No segundo dia de evento, os participantes irão se dividir em 5 oficinas simultâneas, parte delas acontecerá nas comunidades rurais da região. Já no último dia de evento, 07 de junho, haverá ato público e uma caminhada pelas ruas centrais da cidade com a presença de cerca de mil pessoas.


A Festa Estadual tem como principais objetivos fortalecer o intercâmbio de experiências entre as famílias na gestão e conservação sementes e refletir sobre o avanço dos transgênicos no estado da Paraíba, suas ameaças para a conservação das sementes crioulas, bem como definir estratégias de enfrentamento. Outro objetivo é construir propostas para subsidiar a formulação de políticas públicas de sementes no Estado da Paraíba.

Sementes da Paixão - “Sementes da Paixão” é o termo pelo qual ficaram conhecidas na Paraíba as sementes nativas, ou crioulas, adaptadas às condições climáticas e ambientais locais. Estas sementes constituem em um patrimônio genético selecionado e preservado por famílias agricultoras há várias gerações, os “guardiões e guardiãs”. Elas são armazenadas em silos, tonéis ou garrafas pet em bancos de sementes comunitários ou familiares espalhados pelo estado como uma estratégia para se ter a semente sadia e segura no momento certo de plantar, garantindo autonomia e segurança alimentar para os agricultores. O nome veio da "paixão" que os agricultores tem pela sua semente.


Programação:


05 de junho, quarta-feira:



19h - Abertura Oficial da Festa Estadual das Sementes da Paixão e Feira e Feira de Sabores e Saberes



06 de agosto, quinta-feira:



8h - Plenária: Reafirmação das lutas, conquistas e perspectivas para produção de sementes crioulas na Paraíba
1. Atualização do avanço dos transgênicos e sugestões de enfrentamento (GT Biodiversidade ANA);
2. Papel das pesquisas e as sementes da paixão (Embrapa);
3. Perspectivas sobre o Programa de Sementes Crioulas (Governo da Paraíba);
Debate



12h – Almoço



14h - Oficina 1: Atualização sobre o avanço dos transgênicos e estratégias de Resistencia nos Territórios da ASA Paraíba. Local: Comunidade Pedra D’água dos Martins, São Vicente do Seridó.


Oficina 2: Papel das pesquisas no resgate das sementes da paixão e proteção contra avanços dos transgênicos. Local: Soledade

Oficina 3: Ameaça dos transgênicos para criação animal. Local: Soledade)

Oficina 4: O papel dos bancos comunitários de sementes na conservação do patrimônio genético e no enfrentamento à contaminação dos transgênicos.Comunidade Capoeiras e Coalhada. Local: Cubati


Oficina 5: As sementes da paixão e a comida de verdade no campo e na cidade

Experiência da Escola Municipal de Soledade e CENEP. Local: Escola de Soledade 
(todxs os participantes dessa oficina deverá usar calça e no caso das mulheres, saia longa, em cumprimento as normas da escola)


18h – Jantar

19h – Noite Cultural e Feira de Sementes da Paixão 
Teatro – Atuais hábitos alimentares (Grupo Caras e Bocas);

- Falas sobre a comida de verdade;
- Continuidade da Feira de Sementes;
- Barraca de realização de testes de transgenia e emissão de certificado livre de transgênicos



07 de agosto, sexta-feira:



8h – Acolhida das Caravanas



9h10 – Caminhada



11h - Plenária de Encerramento e Afirmações de Compromissos



Falas políticas: Agricultor e Agricultora, CONSEA; ASA Brasil, Embrapa, Gestores públicos (Governo do Estado); ASA Paraíba.
13h - Encerramento



Dia Mundial da Alimentação em Campina Grande terá Feira de Produtos Agroecológicos

No próximo dia 16 de outubro, quarta-feira, quando se comemora o Dia Mundial da Alimentação, o Grupo de Trabalho (GT) de Comercializaç...