20 de janeiro de 2015

Seminário Internacional debaterá efeitos da agroecologia no combate à desertificação e na construção da resiliência da agricultura em regiões semiáridas


Evento reunirá em Campina Grande integrantes do governo federal, órgãos de pesquisa, estudantes, acadêmicos, entidades não-governamentais e líderes comunitários

Promover o intercâmbio de aprendizagens sobre experiências de combate à desertificação realizadas em diferentes regiões semiáridas do mundo, conhecer iniciativas familiares e comunitárias voltadas para a promoção da resiliência e elaborar um conjunto de diretrizes para o desenho de políticas públicas para o desenvolvimento rural em regiões semiáridas são alguns dos objetivos do Seminário Internacional Construção da Resiliência Agroecológica em Regiões Semiáridas, que será realizado entre os dias 21 e 23 de Janeiro, na sede do Instituto Nacional do Semiárido (Insa), em Campina Grande-PB.


Resiliência é a capacidade de resistência e de recomposição dos sistemas agrícolas frente a perturbações ambientais e socieconômicas. Com a proposta de convivência com o Semiárido, a Articulação Semiárido Brasileiro (ASA) vem ao longo dos últimos 15 anos apoiando o desenvolvimento de sistemas agrícolas mais resilientes nos biomas Caatinga e Cerrado. Esse apoio se dá por meio da estruturação de uma rede de infraestruturas para captação e armazenamento de água das chuvas a fim de atender necessidades de consumo humano, e de atividades agrícolas e pecuárias. Quando articulada com práticas de manejo e conservação da agrobiodiversidade, essa estratégia de estocagem de água tem gerado efeitos positivos no combate aos processos de desertificação e na adaptação às mudanças climáticas.

Para avaliar esses efeitos positivos, a ASA estabeleceu parceria com o INSA a fim de conduzir uma pesquisa que vem monitorando a construção da resiliência na agricultura familiar no semiárido brasileiro. Os resultados preliminares dessa pesquisa serão apresentados e debatidos no Seminário, que contará com representantes de entidades e redes do Brasil e de outros países.

O painel de abertura do evento contará com a participação de Clara Inés Nicholls, coordenadora geral da Rede Iberoamericana de Agroecologia para o Desenvolvimento de Sistemas Agrícolas Resilientes e Mudanças Climáticas (Redagres), de Souleymane Cissé, representante da ONG senegalesa IED – Afrique (Inovação, Meio Ambiente e Desenvolvimento) e Luciano Silveira, da ONG AS-PTA, representando a Articulação Semiárido Brasileiro (ASA).

Os participantes do seminário terão a oportunidade de conhecer experiências de combate à desertificação e promoção da resiliência nas regiões paraibanas da Borborema e do Cariri/Seridó. Essas experiências vêm sendo desenvolvidas com o apoio da União Europeia por meio do Projeto Terra Forte coordenado pela AS-PTA Agricultura Famiiar e Agroecologia.

O Seminário se encerrará na sexta-feira (23/01) com a mesa “Diretrizes para o desenho de políticas públicas em regiões semiáridas no contexto das mudanças climáticas e de elaboração dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS)” com a participação de Francisco Campelo, Diretor de Combate à Desertificação do Ministério do Meio Ambiente (MMA), Cassio Trovatto da Comissão Interministerial da Política de Agroecologia e Produção Orgânica (CIAPO), Pedro Gama da Embrapa semiárido e Cristina Nascimento da ASA.

Exposição Fotográfica – Na noite do dia 22/01, será realizado um coquetel de lançamento da exposição fotográfica Terra Forte: paisagens camponesas no Hotel Fazenda Day Camp. A exposição é composta por 65 imagens produzidas pelo fotógrafo recifense Flávio Costa na região da Borborema. As imagens buscam destacar os principais resultados do Projeto Terra Forte produzidos pelas mãos de homens e mulheres do semiárido paraibano.


Fonte: http://aspta.org.br/

Nenhum comentário:

Postar um comentário