18 de outubro de 2011

Margaridas começam a surgir nos asfaltos de Brasília

Pouco a pouco mulheres camponesas dos quatro cantos do país chegam ao Brasília-DF. A “Cidade das Margaridas”, como a capital nacional fica conhecida nesta época, está a espera de cerca de 100 mil mulheres que participarão da 4ª edição da Marcha das Margaridas, que acontece nesta terça e quarta-feira (16 e 17). Dentro do Pavilhão, algumas mulheres organizam os estandes para a apresentação de seus trabalhos, artesanatos e produtos esperam ansiosas pelo início das atividades.

Aos 63 anos, a índia Sateré-Mawé, Andrezza Miquiles, comenta da importância para seu povo de estar participando pela primeira vez da Marcha das Margaridas: “Quero saber dos meus direitos pra poder explicar pra os parentes”.

Andrezza mostra os colares, pulseiras e brincos que confecciona em sua comunidade, localizada em Barrerinha, interior do Amazonas. Ela faz parte da Associação das Mulheres Indígenas Sateré-Mawé (AMISM). Atualmente os artesanatos confeccionados pelas mulheres indígenas Sateré-Mawé mantém as despesas da Associação com sede em Parintins (AM).

O estande Mulheres e Agroecologia, situado na entrada da Feira Mostra Brasil, foi decorado com as imagens de Margarida Maria Alves e Elizabeth Teixeira, símbolos da luta das mulheres camponesas paraibanas.

Francisca Aparecida Firmino, representante do Centro de Educação e Organização Popular (Ceop) e do GT de Mulheres da ASA-PB, diz que esta é a primeira vez que ela participa da Marcha das Margaridas e que está surpresa com a estrutura do evento: “É uma mega estrutura, o espaço está aconchegante, estou com muita expectativa para o início das atividades”.

Ela ainda acrescenta: “Acredito que todas as conquistas que as mulheres conseguiram através da marcha foram muito importantes, ainda existe uma enorme pauta de reivindicações que precisam ser atendidas”.

As atividades da Marcha das Margaridas 2011 começam oficialmente a partir de terça-feira (16), com atividades culturais, oficinas, debates, exposições e muita alegria e energia feminista vindas do campo, da floresta e das cidades de todo o país.

Nenhum comentário:

Postar um comentário